Translate

30/12/2011

Acolher 2012 com esperança




Caros visitantes virtuais,

O ano 2011 está praticamente a encerrar as suas portas para dar passagem à entrada do Novo
Ano de 2012. As razões que escolhi para me despedir de 2011 convosco valem para mim mais do que o melhor champanhe ou o caviar. Valem sorrisos e esperança.



Leonor Pereira, uma professora que fez o mestrado em Engenharia Têxtil na Universidade do Minho e criou uma linha de brinquedos para crianças invisuais, merece o meu apreço e considero-a um exemplo encorajador. Identificou uma necessidade no sistema educativo português e colocou a sua investigação ao serviço da procura de resposta a essa necessidade, o que conseguiu com sucesso através da sua tese sobre "Design inclusivo: Tocar para ver - Brinquedos para crianças cegas e de baixa visão".

Uma necessidade a que sou sensível de modo muito especial, pelo muito carinho que sinto por estas crianças e porque brincar é o mais mágico dos prazeres que simultaneamente contribui para a felicidade, desenvolvimento físico e mental e integração social.

A utilização de suportes físicos que as crianças possam identificar e através dos mesmos ajudá-las a ter uma imagem mais próxima do real é um contributo que considero extremamente útil às próprias, às suas famílias, mas também ao sistema educativo e à sociedade.

A esta professora e investigadora que colocou a sua inteligência ao serviço dos outros, que com criatividade e inovação ajuda a descobrir nichos de mercado em Portugal, dou os meus parabéns e deixo a sugestão de que contacte o Brasil que tem um mercado já aberto a este tipo de produtos especializados (Mais informação no Portal do Governo Federal deste país para apoio à integração do deficiente em: http://saci.org.br/?IZUMI_SECAO=2 ), para além certamente dos países nórdicos que têm uma tradição de educação inclusiva muito importante. Sobre esta matéria me referi em anterior post disponível no link abaixo:



Gostaria ainda de partilhar convosco o facto de ter sido criada e lançada este mês a Plataforma on line "Tal como tu" que visa proporcionar diálogo e aconselhamento a doentes afectados pelo SIDA. Sem barreiras horárias ou geográficas, podem conversar com médicos, com outros doentes ou qualquer pessoa interessada em fazer parte desta cadeia de diálogo. Valorizo muito esta realização, que felicito, porque acredito no poder positivo da palavra. A solidariedade faz-se também conversando, escrevendo, partilhando duvidas, receios e esperanças.


A plataforma "Tal como Tu" está disponível no seguinte endereço electrónico: http://talcomotu.org/home/


A este propósito deixo o meu singelo contributo de esperança evocando que a revista Science considerou o avanço científico mais importante deste ano que agora está a terminar a descoberta de que a toma de medicamentos retrovirais usados para combater o SIDA podem reduzir em 96% o risco de transmissão desta doença nas relações heterosexuais, o que abre portas a novas descobertas sobre o tratamento e combate à mesma.



Não quero ainda deixar de referir Harold Hackett, na foto acima, Canadiano que desde 1996 começou a escrever cartas que, depois de colocadas em garrafas, eram abandonadas à deriva na imensidão das águas do nosso planeta. Por incrível que pareça, Harold tem recebido respostas às suas cartas, e mesmo pequenos presentes que lhe chegam do mundo inteiro, de destinatários desconhecidos. Confessa que quando escreveu as primeiras cartas julgou que não teria qualquer resposta, mas recebe actualmente cerca de 150 postais de Natal de destinatários que já receberam as suas cartas e continuam a escrever-lhe, para além de respostas às cartas que continua a colocar em garrafas que lança ao mar. Diz que cada carta que recebe tem uma história única e a experiência desta comunicação humana entusiasmou-o de tal modo que diz que a manterá até um dia fechar os olhos. Na minhas perspectiva este facto revela a enorme capacidade de o ser humano ter empatia pelo seu semelhante, o forte impulso comunicacional que a humanidade tem em si e que vence distâncias sejam elas quais forem. Basta que assim o queiramos.



Uma palavra de esperança também para a nossa economia. Mesmo nesta área que tanto nos tem preocupado, e com razão, recuso-me a entrar em perspectivas derrotistas. A foto acima apresenta a terceira maior incubadora do mundo, está no Campus da Caparica, da Faculdade de Ciências da Universidade Nova de Lisboa e foi agraciada com a distinção "Best Science Based Incubator" (terceiro prémio) por ter incubado 130 empresas permitindo a recuperação de postos de trabalho e uma taxa de sobrevivência económica das mesmas superior a 90%. Esta distinção numa competição que envolveu trinta países revela que temos capacidade criativa, de inovação, de conhecimento científico e tecnológico e capacidade para responder aos desafios, mesmo aos económicos.


Outra prova destas mesmas capacidades que temos em nós está no facto de, em 2011, o Prémio Melhor Empresária Europeia ter sido entregue a uma empresária portuguesa, Sandra Correia (foto acima), que recebeu esta honrosa distinção atribuída pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho Europeu de Mulheres Emopresárias. Interessante ainda é o facto de esta empresária ter explorado um nicho de mercado usando a cortiça, riqueza natural portuguesa, a partir do sobreiro, numa linha criativa de produtos de decoração e acessórios de moda que têm tido não apenas aceitação nacional e internacional como projectam uma imagem comercial de Portugal com qualidade. Parabéns à empresária pelo seu sucesso que é também o sucesso das marcas portuguesas.



Parabéns ainda a outra portuguesa, a cientista Manuela Veloso (foto acima) agraciada com a honrosa distinção científica internacional "Einstein Chair Professor 2012" que lhe foi atribuída pelas suas criações de alta tecnologia científica na área da robótica. Os robots que criou, os "CoBots" não apenas desempenham pequenas tarefas como interagem verbalmente com as pessoas solicitando pedidos simples e agradecendo. Foi a criadora dos robots futebolistas que disputam uma prova que permite à ciência ir aperfeiçoando esta tecnologia ao serviço do homem.
Esta cientista foi proposta para o prémio pela Academia Chinesa que criou o "Programa Einstein" para fazer interagir as instituições científicas chinesas com os grandes centros de investigação internacional. Manuela Veloso encontra-se actualmente a trabalhar nos Estados Unidos da América e colabora com o Instituto de Sistemas e Robótica em Portugal.
Quero terminar este post, o último deste ano, lembrando que 2011 foi o Ano Europeu do Voluntariado, sobre o qual falei no meu post disponível em: http://celiachamica.blogspot.com/2011/12/descoberta-da-magia-do-outro.html , mas o outro continua à nossa espera em 2012. O outro... aquele que precisa de si e o meu caro visitante virtual também precisa dele para descobrir a magia de se dar, sem nada esperar. Depois de se entregar voluntariamente recebe em troca o que nunca esperou, a magia da gratidão e da transformação de si próprio em alguém muito mais rico e valioso... muito mais feliz.


Um grande abraço virtual para si, até 2012, e obrigada por ter caminhado comigo na rota da esperança.


C.C.