Translate

03/08/2013

A esperança que brota da escolha dos caminhos


Caros visitantes virtuais,

Há cerca de dez meses uma jovem médica que conheço desde criança surpreendeu-nos ingressando num percurso de vida diferente. Assim, deixou o hospital onde trabalhava, o seu país, os colegas, a família e os amigos e partiu à descoberta de si própria e da sua plena realização pessoal, certa de que a encontraria num mais dedicado e profundo caminho de Fé, onde se encontrasse mais próxima de Deus. Todos os que conhecemos a Joana Carneiro ficámos felizes por ela e certos de que iria viver uma intensa experiência do ponto de vista humano e espiritual, o que está realmente a suceder.
Não tenho dúvida que a Joana encontrará a resposta para o caminho que quer percorrer na sua vida que optará por aquele onde sentir que será mais ela própria, o caminho onde sentir que colocará mais os seus talentos ao serviço dos outros, porque essa é a forma de ela estar na vida. O sorriso que sempre a caracteriza e a serenidade que dela transparece é próprio de quem sabe bem o que quer da vida e nada lhe custa deitar para trás das costas o que tem a perder com as suas opções. Mas para isso, é precisa muita coragem e também muita determinação.
Ser senhor, ou senhora do seu próprio destino em cada momento das nossas vidas acarreta sempre opções que na maioria das vezes não são fáceis, sejam essas opções quais forem. Desde uma simples opção por deixar de fumar, que por evidência é em si mesma positiva, mas que ainda assim é penosa, a outros tipos de opções onde as evidências nos surgem num misto de outras evidências que apontam exatamente no sentido oposto. 
Ao longo da minha vida, como certamente o meu caro visitante virtual, tive muitas vezes que optar por caminhos que necessariamente fizeram-me deixar outros por percorrer. 
Em todos os trilhos que não seguimos deixamos flores por colher, pássaros por escutar, mas também pedras onde não tropeçámos e ferimos os pés. E, em todos os trilhos que seguimos encontrámos flores para colher, pássaros para ouvir e pedras em que tropeçar. Que os distingue então uns dos outros? 
Que distingue os caminhos que percorremos dos que deixámos por percorrer? Como dizia Saint-Éxupéry "é o tempo que dedicamos à nossa rosa que a torna especial". Eu, parafraseando o autor francês de que muito gosto, considero que o que torna diferentes os caminhos que percorremos é que eles são nossos, foi por eles que optámos e fizemo-lo com a determinação de quem tem fortes razões para por aí seguir caminho. E, se os abandonámos a dado passo do percurso foi porque deixámos de nos rever neles e eles só foram nossos até ter as nossas pegadas. No entanto, se  simplesmente saltitámos sobre as pedras para olhar bem o percurso e escolhemos manter-nos no mesmo rumo, aquele percurso continua a ser o nosso, seja esse percurso de que natureza for.
Há mais de trinta anos deixei um Mestrado por terminar e segui em frente sem o lamentar porque concluí que aquele caminho não era o que eu queria seguir. Ainda hoje entendo que fiz bem, apesar das perdas que abandonar caminhos sempre representam, tive ganhos pessoais bem mais importantes, consegui ser mãe, coisa que até então não havia conseguido, não havendo maior felicidade na minha perspetiva.
Mais recentemente abandonei um percurso profissional de um quarto de século e troquei-o por um novo caminho onde todos os dias parto à descoberta do desconhecido. É esse caminho que sinto agora que é o meu, embora tenha ainda que nele encontrar as veredas certas a percorrer.
Deixar de fumar não deixa de ser também uma forma de escolha de caminho, como muitas outras que a vida em cada dia coloca diante de nós. Há quem lhes chame crises, há quem lhes chame oportunidades. São certamente ambas as coisas e delas moldamos a vida que em cada dia temos a bênção de dispor para dela fazermos o que entendermos.
Para os que, como eu, são crentes, Deus é a luz que sempre escolhi para me iluminar o caminho. Seja Deus, a Fé ou a determinação o que importa é caminhar em busca da nossa própria genuinidade, lá onde estivermos nós próprios é que é o nosso lugar.
Uma boa caminhada e boas opções, caro visitante virtual.

C.C.