Translate

10/12/2011

Vale a pena crescer em conjunto




Caros visitantes virtuais,


Esta semana é tempo de dar as boas-vindas à Croácia e celebrar o facto de ter assinado o Tratado de Adesão à União Europeia (UE). Este país europeu, após ter pedido a sua adesão em 2003, poderá vir a tornar-se o 28º Estado membro da UE depois de cumpridos os procedimentos necessários para a sua entrada formal em Julho de 2013.

Poderá parecer estranho, num blogue que pretende veicular esperança, escrever um post sobre a celebração da adesão da Croácia precisamente num momento em que todos estamos conscientes de que a Europa vive uma das suas maiores, se não a maior crise de sempre. Pois eu considero que não devemos nunca deixar de celebrar as vitórias da União Europeia. Se no passado nos tivessemos deixado ficar centrados nas crises que ocorreram no seio das Comunidades Económicas Europeias (só desde 1992 passou a designar-se União Europeia), nunca teríamos construído tanto em conjunto, o que considero que muito tem contribuído para o desenvolvimento, a coesão social, a igualdade de oportunidades, a segurança e a paz na Europa, e consequentemente também no mundo. Assim, neste post não me deterei no recente acordo resultante do recente Conselho Europeu de 8 e 9 de Dezembro sobre questões fiscais e orçamentais associadas à crise do Euro, apenas uma das vertentes da União Europeia, mas sim em mais um alargamento da União Europeia, desta vez à Croácia, que mesmo em tempo de crise ousou manter-se firme e assinar o Tratado de Adesão.




Neste momento quero lembrar que os desígnios que desde 1951 presidiram ao surgimento deste projecto europeu se mantém válidos e, no meu entender, cada vez mais necessários: assegurar a paz entre as nações europeias associando-as num sistema institucional comum fundado e orientado por princípios de igualdade e cooperação. A bandeira escolhida para os representar é a da imagem acima: fundo azul, com doze estrelas amarelas em círculo. O número de estrelas da bandeira nada tem a ver com o número de Estados aderentes ao projecto. A simbologia da bandeira representa a unidade, solidariedade e harmonia entre os povos.

Este espaço político europeu, que começou com seis Estados-Membros, tem actualmente 27 e terá em breve 28, a Croácia que esta semana assinou o Tratado de Adesão. Como recordamos, Portugal aderiu em 1986, tendo o Tratado de Adesão sido assinado em 1985, no Mosteiro dos Jerónimos.

Sei que ainda hoje é polémico para muitos cidadãos portugueses, e estão no seu direito, pensar se deveríamos ou não ter aderido. Eu sou completamente a favor da nossa pertença a este espaço geopolítico a que considero que seria um erro estratégico não estarmos ligados. Seria como negarmos uma parte de nós, já que somos europeus por implantação territorial e por raízes históricas profundas. Estando na União Europeia temos a oportunidade de ajudar, em conjunto, a decidir o destino da Europa, de que também fazemos parte, e a aparecer perante o resto do mundo com uma posição geopolítica reforçada. Somos desde 1986 cidadãos nacionais, mas também cidadãos europeus de pleno direito. Movemo-nos num espaço que para nós não tem fronteiras e que tem a riqueza de partilhar a diversidade histórica, cultural e linguística de 27, e a partir de 2013, 28 Estados membros.
A amarelo no mapa abaixo estão representados os Estados Membros que actualmente pertencem à União Europeia: Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Polónia, Portugal, Roménia, Eslováquia, Eslovénia, Espanha e Suécia.



O lema da UE: "Unidos na diversidade", o seu hino (9ª Sinfonia de Beethoven) e a bandeira (que como referimos simboliza a unidade, solidariedade e harmonia entre os povos) testemunham a actualidade do projecto europeu no século XXI e futuros: continuar a construir em conjunto desenvolvimento e solidariedade numa Europa que já une 502.489.1 cidadãos (dados oficiais de 2010) e se estende por mais de 4 milhões de km quadrados.
Uma Europa que, de acordo com a Estratégia de Lisboa que aprovou, constrói em conjunto uma economia europeia que procura ser competitiva internacionalmente, que procura vencer os desafios da globalização respeitando a sua própria diversidade, o equilíbrio do ambiente, o incentivo à modernização dos sistemas educativos e à inovação.


Uma Europa que continua aberta a novos candidatos a aderir aos seus ideais.


Uma Europa onde o conhecimento e a informação circulam, onde as crianças e jovens, estudantes, formandos, formadores, professores, investigadores e peritos nas váreas áreas se envolvem numa participação activa em programas de mobilidade que tornam as escolas, instituições de ensino superior e empresas uma área de educação e formação sempre em intercâmbio e actualização conjunta permanente.
É por isso que acredito que a União Europeia continua a ser um luz projectada no crescimento da Europa no que ela tem de melhor: a sua diversidade cultural, o seu património histórico e geográfico partilhado, os valores de respeito pelos direitos humanos e igualdade de oportunidades, o respeito pelo espaço ecológico que partilhamos com o mundo, o seu papel construtor da paz em cada dia.
Sei que vários dos leitores deste blogue estão espalhados pelo mundo, alguns da União Europeia e outros de outros países da comunidade internacional. A todos agradeço a vossa visita encorajadora a estas linhas que em cada semana vos dedico e que, por estarmos à distância de um clique do rato nos aproximam porque o que realmente nos une como seres humanos é a capacidade de comunicarmos uns com os outros, seja qual for a nossa nacionalidade, língua, género, idade, raça, religião ou ausência de religião, profissão ou ocupação.

Um abraço europeu celebrando a Croácia e universal celebrando o mundo e a sua diversidade,

C.C.