Translate

18/07/2011

Cabo da Boa Esperança




A Moody's tem ocupado a mente de todos os Portugueses, dos seus parceiros da União Europeia e de mercado internacional com a constante mensagem de que façamos os esforços que fizermos somos lixo.
E quem é a Moodys's para atribuir tal classificação a um Estado soberano que conquistou a sua independência há quase dez séculos, é membro da ONU, da União Europeia e de um vasto número de organizações internacionais e regionais da comunidade internacional? Uma agência de rating que até falhou na avaliação da Lehman Brothers e dos bancos irlandeses que sobreavaliou.
Interesses económicos? Erro técnico? Não sei. Mas sei que Portugal foi construído ao longo dos séculos por homens e mulheres de bravura, de arte, de coragem, de sensibilidade, de inovação e de criatividade.
Em 1488 Bartolomeu Dias pela primeira vez dobrou o cabo onde convergem os oceanos Atlântico e Índico e que por ser tão difícil de ultrapassar chamou Cabo das Tormentas. O rei D. João II, ciente da importância desse gesto de heroísmo e potencial de abertura às Índias, potencial que vislumbrava no horizonte futuro, chamou-lhe, e muito bem, Cabo da Boa Esperança. Foi um visionário. Portugal entrou nos Descobrimentos e como é amplamenmte reconhecido abriu novos mundos ao mundo.
Quem é a Moody's face a esta grandiosidade histórica? Nada.
Quantos prémios Nobel tem a Moddy's? Nenhum. Portugal tem o Saramago e com ele toda uma literatura, música, pintura, arquitectura e outras áreas da cultura que deixarão longas passadas na história da humanidade.
O que deixa a Moody's à humanidade? Não vejo nada a não ser gráficos e destroços empresariais.
Portugal dobrou o Cabo da Boa Esperança e vai voltar a dobrá-lo, com a ajuda de nós todos Portugueses que cá estamos e dos que estão espalhados pelo mundo, recrutados por serem considerados empreendedores, criativos e excelentes profissionais ou pela sua capacidade de procurar em destinos diferentes novas oportunidades, como fizeram os lusos descobridores, nossos ancestrais.
Dobremos juntos este novo Cabo da Boa Esperança.


Caros visitantes virtuais, um abraço,


C.C.